sábado, 25 de setembro de 2021

101 ANOS DE 21 ROSADO

 Nunca me lembro dos aniversários das pessoas, apesar dos avisos do Facebook. E isso inclui pai, mãe, irmãos, mulher e filhos. Beirando meio século de vida, às vésperas do exame anual de próstata, até a minha data natalícia tenho feito questão de esquecer.

Portanto, não vou mentir dizendo que recordei assim, do nada, como que tomado por uma epifania. Foi Caio César Muniz quem me escreveu ontem: “Poeta, lembrando: amanhã 101 anos de Vingt-un”.

Todo mundo elege um “braço direito”. Vingt-un, pela deficiência auditiva acentuada, precisava, na verdade, de um “ouvido direito”, que era o bom e velho Muniz, versejador inspirado, jornalista competente, editor, boêmio e mais um monte de coisa.

Tenho o privilégio de os haver apresentado, um ao outro. Depois conto essa história, que, de tão maravilhosa, merece espaço próprio.




Jerônimo Vingt-un Rosado Maia, caçula dos 21 filhos de Jerônimo e Isaura Rosado, foi quem inventou a expressão “País de Mossoró”, inspirou a criação da Esam – hoje Ufersa –, da Biblioteca Ney Pontes Duarte, do Museu Lauro da Escóssia e de tantas outras instituições culturais, sendo a maior delas a Coleção Mossoroense, com milhares de títulos publicados.

Era meu tio-avô e, apesar da diferença de idade, fomos grandes amigos. Tanto que, certa vez, mandou deixar um livro para mim, na redação do jornal O Mossoroense, com uma dedicatória que demorei a decifrar – porque a letra dele, como afirmava Cascudo, era ruim até escrita à máquina –, mas que dizia: “Quem disse que eram 21? Você é o 22”.

Saudade de você, meu tio, meu mestre, meu amigo. E meu irmão.

 

ANOTEM

Se a eleição para a presidência da OAB/Mossoró fosse hoje, a votação de Vânia Furtado seria maior que a soma dos sufrágios de seus adversários. A situação de Aldo Medeiros é melhor ainda, na terra de Santa Luiza. Ele estaria dois pontos acima de Vânia.

 

GET VACCINATED

A primeira-dama Michelle Bolsonaro vacinou-se contra Covid-19 nos Estados Unidos. Ela podia tê-lo feito no Brasil desde 23 de julho, mas em um gesto altruísta para economizar os estoques de imunizantes nacionais, resolveu esperar pela Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). O resto é mi-mi-mi da mídia golpista, lixo, esquerdopata.

 

FALANDO NISSO

A vacinação contra Covid-19 chega à galera de 12 anos ou mais, em Mossoró-RN, no Ginásio de Esporte Pedro Ciarlini e no Sesi, até as 16h00min de hoje; e também amanhã, no Ginásio de Esporte.

 

RESPEITO À VONTADE DO ELEITOR

A governadora Fátima Bezerra (PT) anuncia que sancionará na próxima semana, em Mossoró-RN, a lei que extingue a lista tríplice para nomeação de reitor e vice-reitor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). A partir da próxima eleição, o governador que estiver no cargo terá de respeitar a vontade da comunidade acadêmica.

 

CRIANÇAS EM REDES SOCIAIS

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) alerta: “Exposição excessiva de crianças em redes sociais pode causar danos” a longo prazo, sem mencionar o risco de utilização das imagens por “predadores em crimes de violência e abusos nas redes internacionais de pedofilia ou pornografia”, segundo a pesquisadora Evelyn Eisenstein.

 

SEM BLOQUEIO

As prefeituras receberão cerca de 26% a mais no próximo repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Outra notícia boa é que não há nenhum município do Rio Grande do Norte com bloqueio. Antigamente, em momentos assim, agiotas faziam a festa em cidades oestanas.

 

PARA O BOM ENTENDEDOR

As palavras são

a expressão máxima

do silêncio.

 

POR FIM

Para ilustrar o sábado, Carla Bruni canta “Quelqu'un m'a di”.




 

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

“Jubiaba, não, seu analfabeto! É Jubiabá!”

 

Que outros se gabem das

páginas que escreveram;

orgulho-me das que li.

Borges

 

Palavras são o meu ganha-pão desde os 14 anos, quando passei a trabalhar no jornal O Mossoroense. Aquele emprego foi o último recurso paterno para tentar salvar o filho rebelde das trevas da ignorância. Rebelde sem causa, diga-se de passagem. O importante é que a partir dali a leitura e a escrita passaram a ser ofício e lazer, desespero e salvação, loucura e terapia.

Não, eu não gostava de ler. Sendo mais exato: odiava! E esse sentimento, como desabafei certa vez em uma crônica dominical, decorria do tratamento elitista e esnobe que se dá ao leitor iniciante nas instituições de ensino, a começar pela imposição de textos inadequados à idade das pessoas, bruta sacanagem que leva o indivíduo a pensar que não nasceu para a coisa.

Lá pelos 10 anos, por exemplo, a escola me obrigou a ler, em letras mínimas, as 635 páginas de Moby Dick, do escritor estadunidense Herman Melville. Para se ter ideia, a edição original publicada em 1851 tinha o título de A Baleia e era dividida em três volumes. Perco o fôlego só de lembrar a narrativa de Ismael sobre a peleja do louco Capitão Ahab com a magistral cachalote.

Depois, Ana Terra, Um Certo Capitão Rodrigo e Olhai os Lírios do Campo, de Érico Veríssimo. Quase furo a página com os olhos de tanto revisitar o sexo entre Ana e Pedro – foi dos primeiros alumbramentos da infância, parodiando Bandeira. Tais obras, embora geniais, não servem para crianças nem adultos iniciantes na delicada arte de desvelar sentidos latentes além da escrita.

Certa feita, na aula de português, foi-nos exigida a leitura de Jorge Amado. No final, tentando agradar a professora com meu falso interesse, perguntei onde adquirir “Jubiaba”. Ela, mãos na cabeça, testa franzida, olhar fulminante sobre a armação grossa dos óculos, retrucou: “Jubiaba, não, seu analfabeto! É Jubiabá!”. E assim embarquei na aventura de Antônio Balduíno.

O bloqueio em relação aos livros começou a ser superado por volta dos 15 anos. Lembro que era janeiro, porque estava com a família em Tibau, quando pedi a Vingt-un Rosado, fundador da Coleção Mossoroense, que me emprestasse uma obra de história de Mossoró. Queria saber mais sobre a libertação dos escravos, o Motim das Mulheres, a batalha com os cabras de Lampião.

No outro dia, ele me deu 50 títulos relacionadas à cidade e ao Nordeste. O velho mestre, amigo querido de saudosa memória, apresentou-me ao melhor da literatura potiguar. Diante dos olhos maravilhados do menino burro desfilavam textos de Nonato, Raibrito, Cascudo, Guerra, Fausto, Milton Pedrosa, Maria Sílvia, Zila, Brasília Ferreira, Lauro da Escóssia, Jaime Hipólito.

Minha mãe, testemunha de tudo, aproveitou para dar o empurrão que faltava. Era necessário ler tudo aquilo com bastante atenção – dizia-me em tom grave –, pois o doador costumava inquirir as pessoas sobre os exemplares doados. Vingt-un nunca perguntou patavinas, mas continuou fornecendo livros e eu continuei a lê-los, linha a linha, até me encontrar no universo da linguagem.

Adiante, transitando do clássico ao popular, matando a sede em fontes de prosa e verso, fica difícil dizer das leituras que me tangem o pensamento, que se digladiam no discurso ilusoriamente meu, que empunham a caneta quando escrevo, que me constituem sujeito. Assim, sou o que sou, e o que sou é o conjunto disforme de leituras dos mundos, das pessoas e dos signos.